Parque Fazenda Itaponã

Inaugurado há um ano, já é local preferido pelos velejadores e apaixonados náuticos, não deixando de incluir as famílias e visitantes que chegam pela via terrestre.O Parque Itaponã exibe uma vegetação exuberante e eclética, como coqueiros, eucaliptos, cactos, figueiras, bromélias e mato nativo.

Além de proporcionar momentos maravilhosos junto à natureza para crianças, jovens e adultos, o parque oferece também uma saborosa comida com buffet de saladas, grelhados, peixes e sobremesas no charmoso restaurante com vista panorâmica para o
Lago Guaíba e para a Capital.

Realizamos eventos, leilões, palestras, workshops, aniversários, passeios escolares e confraternizações em geral.

O Itaponã está aberto aos sábados, domingos e feriados no horário das 08 às 19 horas e 30 min, e o restaurante a partir das 12 horas, com reserva.

Localizado no Município de Guaíba e distante apenas 35 km de Porto Alegre, o parque oferece a seus visitantes a oportunidade de conviver com a natureza em uma área de 35 hectares.

Descubra este cantinho de puro prazer, bem pertinho de você. Você terá um dia maravilhoso com sua família e seus amigos.

Entre em contato para mais informações

 

A LENDA DO ITAPONà 

  
Karia'y Guatá    
(homem jovem e valente andarilho)    

Havia, nos Pampas Gaúchos, lá pelos primórdios das civilizações nômades Guatá, tribos indígenas da ramificação dos pré-Canganges.Eram povos que vagavam pelos campos do sul, por volta dos séculos XVII a IXX, percorrendo caminhos de percursos constantes (Guatahá) sobre os Yvyaty (morros), que compõem o perfil da linha do horizonte    
que vemos ao observarmos do sul até o sudoeste do Parque. Esses morros são conhecidos, desde aquela época, como Morros da Guarita, por serem os pontos mais altos da região.    

Um Karia'y guerreiro indígena, sempre quando passava pelo Morro da Guarita, parava e fitava ao longe, em direção nordeste, onde o céu se debruça sobre a terra e deixa uma semente como marca de seu amor.    

Eram pontos claros e escuros, ao longe, que não conseguia definir claramente por entre a Yvyatãty (neblina). Isto acontecia sempre à época em que a tribo cruzava pelo local. Era em tempos de frio, quando vinha do sul em busca de campos mais quentes.    

Uma certa vez, quando sobrava o gelado vento Minuano, vindo das Cordilheiras, conseguiu ver aqueles pontos claros, quase brancos (Puí). Eram pedras (Itá), com certas manchas pretas (Hú) por entre elas, que mais pareciam silhuetas femininas.    

Por sua Angerú (ânsia, desejo), aguçada curiosidade e descontrole de sua tribo, conseguiu descer em busca daquele pedaço do "céu na terra".E se foi!    

Quanto mais se aproximava, mais seu coração batia, pois, independentemente da aventura ao desconhecido, as imagens com contornos suaves lhe secavam a saliva da boca. Espreitando por entre Yvyra'í (arbustos) de camboins e aspargos, foi se aproximando.    

Foi quando percebeu que aquela ligação entre o céu e a terra era uma ponta (ponã) de pedras que se pronunciava às águas - Itaponã. Mas, e as silhuetas com formas e sensações suaves que até lhe pareciam movimentar-se ao ritmo das brumas, onde estavam?    

Sentou-se às pedras tentando decifrar as imagens que não lhe saíam da mente. Uma brisa começou a balançar os Amarilios (Sarandis) com formas rítmicas que pareciam dançar ao som do suave vento.    

Seus sonhos se diluíram como as brumas ao luar ao perceber a realidade. Então se curvou, foi se acostando às pedras como quem vai esperar. Talvez...    

Itá Tenimbé! (das pedras fez seu leito!)    

Ficou muito solitário e de lá nunca mais saiu, pois as imagens que em seus sonhos pairavam eram tão fortes que não conseguia perdê-las em sua mente. Eram muito vivas. Eram de sua Kuñá. Hoje, nas noites de tempestades, ouve-se Jahe'osoró - os lamentos do jovem guerreiro como Yvypora (habitante fantasma da Terra) na    
espera de sua Kuñá (mulher). Nas noites de lua cheia e águas límpidas ele aparece em forma de Piraitá (peixe-pedra, Cascudo) a deslizar sobre a ponta das pedras. Se olharmos do Morro da Guarita para o Itaponã, nas noites de lua nova, vamos vê-lo descendo do céu para as pedras para sua Jeheká (rebusca da vida) Kuñá!    
    
Em certos documentos investigados, há referências a um pequeno grupo que se dirigiu para uma elevação próxima à área, ali se instalaram à espera de que um dia o jovem guerreiro retornasse. Faziam Jahe'opapá (composições poéticas consagradas ao luto) em sua homenagem. Até hoje ainda é encontrado Itaguypé (fragamentos de vasilhas de    
barro) no Monte Arqueológico, provavelmente do grupo de Karia'y Guatá. Ao percorrermos esse Monte durante o dia, sentimos fluidos de energias com sensação de paz e de equilíbrio.    

E na noite?  

O Parque

O local oferece ao público um vasto bosque de eucaliptos com churrasqueiras, praia com areia e banho de qualidade, trilhas ecológicas, pescaria, passeios a cavalo monitorados, quadras de futebol 7, quadra de vôlei, passeios de dindinho, carroça, mandala de raízes para quem curte meditar e uma bela cacimba.

O Parque Itaponã exibe uma vegetação exuberante e eclética, como coqueiros, eucaliptos, cactos, figueiras, bromélias e mato nativo.

Restaurante

Com uma decoração ímpar, ambiente com lareira, área externa, o restaurante do Parque Fazenda Itaponã oferece buffet de pratos quentes, saladas, grelhados, peixes e irresistíveis sobremesas, sempre aos sábados, domingos eferiados.

Trilha

De trenzinho, a cavalo, de carroça ou mesmo a pé, você pode fazer as trilhas e ter contato direto com a natureza.

Em trilhas a pé de 30 min, 1 hora ou 1 h e 30 min, é possível observar a beleza natural da mata virgem.

Churrasqueiras

Um belo parque de eucaliptos oferece uma gostosa sombra à beira do rio.

Nesse ambiente você fazer um apetitoso churrasco, escolhendo entre as 50 churrasqueiras e mesas disponíveis.

Cavalos

o Parque Fazenda Itaponã você faz lindos passeios a cavalo por trilhas ecológicas, acompanhado de monitor, com grupos de 5 pessoas.

No período das 14 às 15 horas, as crianças andam nos cavalos em um piquete gratuitamente.

Trenzinho

Um trenzinho para até 25 pessoas faz lindos passeios por todo o Parque. Andando por trilhas entre o mato, permite que tanto crianças e adultos quanto idosos possam usufruir e interagir com a natureza.

O custo do trenzinho é isento está incluído no preço da visita do parque.

Playground

Para crianças o Parque Itaponã oferece, próximo ao restaurante, um playgraund rústico sob as árvores, ideal para distrair e divertir os pequenos ao ar livre. Possuei gangorras, balanços, escorregadores e uma vasta área verde e tranqüila para brincar quadras esportivas.

O Parque possui duas quadras de grama de futebol 7 e uma quadra de vôlei de grama.
Este espaço é proprio para o divertimento e união de equipes e torneios de empresas
e escolas, em meio a natureza nativa da região.
 

Praia

Uma linda praia de 1000 m com areia e água limpas permitem um banho gostoso e refrescante.

Ambiente especial para caminhadas.

Ponto ideal para campeonatos de vela e canoagem.

Entre em contato para mais informações

Mandalas

O parque possui 2 mandalas. Uma Mandala mística de raizes baseada nos bao-bas
orientais e outra de pedras.

Trapiche

O Parque possui um porto com configurações geográficas que oferece não só proteção
contra o vento como principalmente contra as ressacas. Tem areia como fundo. Tem profundidade mínima de 1,00 metro e média de 2,00 metros na baixa, na baía, área de porto ou ancoragem.

Sistemas de ancoragem:
• Paralelo    • de Proa    • Poitas

Mapa

Entre em contato


Nome:
E-mail:
Fone:
*Somente números
Assunto:
Sua Mensagem:
  

 

E-mail: contato@turismoempresarial.com.br

 

 

 

Nossos clientes: